segunda-feira, 6 de outubro de 2014

“No Sínodo dos Bispos, somos chamados a trabalhar para a vinha do Senhor”, afirma o papa.


A 3ª Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos foi iniciada, ontem, dia 5, com a missa celebrada na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Na ocasião, o papa Francisco comentou a liturgia do dia, que recorda a imagem da vinha do Senhor, “projeto de Deus para a humanidade”. Ao relacionar com o acontecimento do Sínodo, o pontífice afirmou que os participantes são “chamados a trabalhar na vinha do Senhor”.

 De acordo com Francisco, as assembleias sinodais não servem para “para discutir ideias bonitas e originais, nem para ver quem é mais inteligente”, por outro lado tem a função de “cultivar e guardar melhor a vinha do Senhor, para cooperar no seu sonho, no seu projeto de amor a respeito do seu povo”. O cuidado com a família, considerada parte integrante do desígnio de amor  para a humanidade, será debatido no encontro a partir do tema “Os desafios pastorais sobre a família no contexto da evangelização”.

Em sua homilia, o papa afirmou que “o sonho do Senhor é o seu povo” e que, assim como as videiras, Ele plantou e cultivou com amor paciente e fiel “para se tornar um povo santo, um povo que produza muitos e bons frutos de justiça”. A vinha inculta e com frutos selvagens encontra sua causa na “ganância de poder e de dinheiro” dos agricultores.

Para Francisco, os vinhateiros “arruínam o projeto do Senhor pois não trabalham para Ele, mas só para os seus interesses, carregando sobre os ombros do povo pesos insuportáveis. Quando, na verdade, a tarefa dos líderes do povo é cultivar a vinha com liberdade, criatividade e diligência”.

A formação de um povo santo que pertença a Deus e produza bons frutos é, segundo Francisco, o desejo do Senhor, e os 191 padres sinodais, que até o dia 19 de outubro discutirão sobre a família, devem ter seus pensamentos e projetos apontados para esta indicação. “Para cultivar e guardar bem a vinha, é preciso que os nossos corações e as nossas mentes sejam guardados em Cristo Jesus pela ‘paz de Deus que ultrapassa toda a inteligência’, como diz São Paulo”, lembrou o bispo de Roma.



Clareza

Hoje, dia 6, as atividades tiveram início às 9h, com debate sobre “matrimônio e família”. Num breve discurso de introdução, o papa Francisco deu orientações aos padres sinodais sobre seus posicionamentos. “Falar claro é condição básica”, exortou. “Que ninguém diga ‘isso não se pode dizer, fulano pensará isso ou aquilo de mim’. É preciso dizer tudo o que se sente, a verdade sem temores”, afirmou.

Francisco contou que, em fevereiro, durante o último consistório, um cardeal escreveu para ele lamentando que nem todos os presentes tiveram coragem de dizer algumas coisas “por respeito ao papa, pensando que ele pensasse de forma diferente”.

“Isto não é certo, não é sinodalidade, porque os padres sinodais devem dizer tudo o que, no Senhor, sentem que têm que dizer,  sem pavor. Ao mesmo, deve-se escutar com humildade e acolher, de coração aberto, o que dizem os irmãos. Com estas duas atitudes, se exerce a sinodalidade”, explicou o papa.

Em entrevista à Rádio Vaticano, o arcebispo de São Paulo (SP), cardeal Odilo Pedro Scherer, reiterou o desejo de conhecer as realidades enfrentadas pela família no mundo todo. “O sínodo é convocado para que faça aparecer a voz e o pensamento da Igreja, ou seja, das igrejas nos diversos lugares, como nas dioceses, as conferências episcopais que os bispos representam. Sobretudo, o papa quer ouvir para depois ter uma palavra da Igreja a respeito desse assunto”, explicou dom Odilo.

O arcebispo de Budapeste, na Hungria, e presidente-delegado do Sínodo, cardeal Peter Erdo, apresentou o relatio ante disceptationem (relatório precedente ao debate). Ele recordou o papa Paulo VI, quando afirmou que “a família não é só sujeito de evangelização, mas sujeito primário no anúncio da Boa Nova de Cristo”. Diante disso, considera ser necessária “a incessante compreensão e atualização do Evangelho da Família, e os problemas familiares mais graves devem ser considerados como ‘sinal dos tempos’”.

Divorciados recasados, preparação de sacerdotes para trabalhar com aconselhamento de casais sobre a validez de sua união e dificuldades sociais e culturais que pesam na vida matrimonial e familiar foram elementos apresentados no relatório. O documento sugeriu “dar respostas reais e impregnadas de caridade aos problemas que, especialmente hoje, tocam a existência da Família”.


Com informações da Rádio Vaticano
Com fotografia da Rádio Vaticano e agência AFP


 

Assine a nosso Email

Contate o nosso Email:

pascom.diocesejuazeiroba@gmail.com

Tema Campanha da Fraternidade 2017

"Biomas brasileiros e defesa da vida."